Como forma de trazer assuntos relativos ao cenário político brasileiro para a sala de aula, uma professora de Campina Grande do Sul, cidade do Paraná, aproveitou notícias de escândalos na política para discutir com os alunos temas como a honestidade em situações cotidianas.

A professora Expedita Estevão da Silva usou uma notícia do jornal, sobre uma faxineira atuada por furto após comer o bombom que estava sobre mesa de um delegado, em Roraima, para trazer o debate à tona.

"As crianças se interessaram muito por essa história e logo tomaram partido da mulher. Nós questionamos a postura do delegado, mas depois também começamos a refletir sobre pequenos gestos de corrupção que estão presentes no nosso dia a dia. O que era pegar um bombom ou um lápis na mesa do colega? Era certo mexer na mochila de alguém sem autorização? Eles começaram a refletir sobre essas ideias", disse em depoimento enviado ao Porvir.

As crianças procuraram o significado da palavra 'corrupção' no dicionário, e começaram a listar ações que as pessoas faziam e que poderiam se encaixar nessa definição.

Em seguida, montaram um questionário e fizeram uma pesquisa com os adultos para ver se eles já tinham cometido alguma pequena corrupção, como estacionar em vaga de idoso ou comprar um produto falsificado.

Créditos: Crédito: Arquivo Pessoal / Expedita Estevão da Silva

"No final do ano, eles ainda tiveram a oportunidade de compartilhar suas experiências durante uma feira do conhecimento realizada na escola".

Por meio de uma notícia do jornal, a educadora pode trabalhar com os alunos em sala de aula aspectos como leitura, interpretação de texto, palavras desconhecidas e expressões típicas do direito, como delito e inquérito.

A iniciativa da professora cresceu, e a escola fechou uma parceria com o fórum da cidade para que os alunos pudessem conversar uma juíza e um promotor sobre suas atividades.

"No final do ano, eles ainda tiveram a oportunidade de compartilhar suas experiências durante uma feira do conhecimento realizada na escola".

De acordo com a educadora, a partir da experiência e dos debates em sala de aula, as crianças passaram a se falar sobre atitudes que consideravam erradas.

Com informações de Porvir.

Aulas sobre emoções ajudam criança a lidar com raiva e frustração