O que é um livro? Para que ele serve? Para as crianças, responder a essas perguntas é tarefa simples. "Lendo, você fica pensando tipo muitas coisas, sem parar. Sua imaginação não para, muitas coisas ficam saindo da sua cabeça", diz a pequena Luisa, de sete anos, no documentário "Para Gostar de Ler", lançado nesta segunda-feira em São Paulo e já disponível no YouTube. Um material rico em argumentos sobre o valor dos livros para o desenvolvimento da criança, que pode ser um reforço positivo nas escolas e também na família sobre a importância de considerar a formação leitora desde a primeira infância uma prioridade na educação infantil.

Produzido pelo Itaú, no guarda-chuva de suas ações de incentivo à leitura do projeto "Leia para uma criança", lançada em 2015, o filme tem direção de Eduardo Rajabally, e retrata a relação de cinco famílias com o incentivo à leitura em casa, compartilham o impacto das histórias na formação das criança.

São cotidianos de diferentes classes sociais e oportunidades de acesso. Dentre elas, está Teliciane, do Rio Grande Sul, que parou de estudar aos dez ano e aos 13 descobriu a leitura quando começou a ler para o filho da patroa.

Créditos: Reprodução/YouTube

Cenas do filme "Para Gostar de Ler".

O filme conta com depoimentos de algumas das maiores referências quando o assunto é o livro para a infância, como a escritora e ilustradora Eva Furnari: "O 'era uma vez' funciona como uma palavra-chave que serve para entrar em um universo diferente do cotidiano", defende. Eva explica também como as histórias de ficção atuam no sentido de construir os arquétipos e as referências da crianças, como por exemplo a própria imagem da mãe ou do pai.

"Os contos de fadas organizam a psique. Os livros podem apontas caminhos, oferecer soluções, resolver conflitos e de certa maneira ajudam a criança a elaborar um conteúdo, por isso é comum uma criança querer ler um livro trinta vezes. Aquilo organiza ela por dentro", explica.

Outra autoridade no assunto que contribui no documentário é o autor Ilan Brenman. "Quando falamos 'vou contar uma história', as pessoas se juntam e ganham vínculos afetivos, isso fortalece o grupo", diz.

Créditos: Reprodução/YouTube

Cena do filme "Para Gostar de Ler".

Jão Figueiró, neurocientista e psicoterapeuta do Instituto Zero a Seis, defende a leitura como mola propulsora das memórias de infância.

"Dentro de nós, habita uma criança. A criança que foi construída nos primeiros anos de vida. Nós costumamos dizer que a primeira infância é a que fica, e ela fica para a vida toda".

Créditos: Reprodução/YouTube

As crianças elaboram a própria experiência a partir da experiência do outro. "Olha só o que aconteceu com a Marilu, ela ficou bem brava, com fumaça no olho , e enxergando tudo cinza", diz essa pequena leitora ao manusear o livro "Marilu", de Eva Furnari.

Já a educadora e neuropsicóloga Adriana Fóz explica a relação das histórias ouvidas na infância com o desenvolvimento da memória auditiva dos pequenos.

"Hoje, com os estudos da neurociência, sabemos que os estímulos à leitura começam até antes de o bebê nascer. A região temporal auditiva começa a ser estimulada antes do nascimento e continua a ser estimulada até os dezoito anos. Podemos entender a leitura como ler imagens, ler situações, e também ler palavras, textos e contextos.

Assista ao documentário na íntegra:

Leia mais:

Monstros na barriga: 5 livros sobre raiva e outras emoções ruins

Quando parece faltar esperança: livros para falar sobre otimismo