O reconhecimento do atendimento em creches como um direito educacional das crianças brasileiras foi uma conquista da mobilização da sociedade civil, em especial das mulheres, que nos anos 1980 foram à luta organizando unidades de atendimento e cobrando o Poder Público.

Um pouco dessa história e das entidades que a protagonizaram está no mini-documentário "Lugar de Criança – A Sociedade Civil e a Luta pelo Direito a Creche" produzido pelo Observatório da Sociedade Civil.

O vídeo traz a história de três Organizações da Sociedade Civil (OSCs) que oferecem serviço de creche em bairros da periferia de São Paulo.

 

Por que São Paulo?

A cidade foi escolhida por ser um dos principais centros dessa história, que ainda hoje deixa marcas. Foi nela que se organizou, em 1979, o Movimento de Luta por Creches, unificando a atuação de diversos grupos. O movimento conseguiu, em plena Ditadura Militar, integrar feministas de diversas tendências, grupos de mulheres associados ou não à Igreja Católica, partidos políticos legais ou clandestinos e grupos independentes, além de grupos de moradores/as que reivindicavam creches em seus bairros.

Um reflexo disso chega até os dias de hoje: das 211 mil crianças atendidas em creches públicas na cidade de São Paulo, 155 mil (74%) estão em entidades mantidas por Organizações da Sociedade Civil, conveniadas com a Prefeitura.