Muitas crianças largam a chupeta naturalmente, outras nem sequer se interessam pelo objeto. Mas, há também aquelas que não querem largar a pepê por nada no mundo. Nesses casos, com medo de frustrar e até traumatizar os pequenos, famílias ficam cheias de dúvidas sobre como conduzir a situação para que a criança possa, então, dizer adeus à sua companheira de tantos momentos.

Afinal, como saber se chegou o momento de largar definitivamente a chupeta, e qual é a melhor forma de abordar o tema com as crianças?

Para Denise Franco, psicopedagoga e especialista em Educação Emocional, antes de tomar qualquer atitude, os pais precisam estar tranquilos com sua decisão sobre o momento da criança deixar a chupeta para trás.

Créditos: Shutterstock

O adeus à chupeta é um processo, e os pais devem respeitar o tempo da criança

“É importante que seja uma decisão familiar amadurecida, para que não crie fantasias de que estão de alguma forma ‘agredindo o emocional’ da criança, pois não estão, é apenas mais uma decisão que precisa ser tomada, como tantas outras ao longo do processo de educar os filhos”, explica.

Na opinião dela, o adeus à chupeta é um processo, e os pais devem respeitar o tempo da criança. "Não há problemas em ir retirando devagar e ir aumentando o tempo de espera nesses intervalos sem a chupeta", comenta.

Para ajudar nesse processo, a especialista aponta algumas táticas que as famílias podem experimentar no seu dia a dia:

Mudar a rotina e o foco: principalmente na hora de dormir. Que tal ler uma história junto até a criança dormir? Quando a criança pedir a chupeta, não dê imediatamente. Mude o foco da atenção. Se ele estiver entediado por exemplo, incentive uma outra brincadeira, uma outra descoberta, isso será bom para pais e filhos.

Mostrar aos pequenos crianças maiores sem chupeta: os pequenos gostam de ter referências. Eles desejam crescer, então, investir nessa ideia ajuda muito a motivar para o processo.

Entrar no mundo da imaginação e tornar a criança protagonista dessa história: dessa forma, a retirada da chupeta fica mais leve, e todos se divertem. 

Dividir expectativas: essa dica é mais para ajudar pais do que as crianças. Conversar com outras famílias que estejam passando pelo mesmo processo pode ajudar muito a lidar com a ansiedade nesse período.

Converse com a escola, e fale sobre esse momento: a escola é uma aliada no momento de largar a chupeta. A nova rotina, novas descobertas, brincadeiras e amigos podem funcionar como um catalisador do processo.


Fada do dente, boca estragada, pimenta na chupeta ou troca por presente?

Créditos: Shutterstock

Usar a imaginação e o lúdico é falar a linguagem da criança. Os contos, as fadas, o imaginário são muito bem-vindos na hora de retirar a chupeta

Perguntamos aos leitores do Catraquinha sobre como o momento de largar a pepê aconteceu em suas casas e sobre como introduziram o assunto, e recebemos diversas respostas (veja aqui) relatando os mais diferentes caminhos.

A seguir, a psicopedagoga e especialista em Educação Emocional, Denise Franco, comenta alguns deles:

Negociar com a criança uma troca da chupeta por algum presente

"Não necessariamente é preciso associar a retirada da chupeta a algo material. Ao sair com seu filho para um parque, por exemplo, faça com que ele perceba sutilmente as crianças que não usam chupeta, e mostre que ali tem coisas interessantes para fazer e que não precisa de chupeta para se divertir. Essa é uma forma da criança associar um lugar legal com atividades prazerosas que gosta de fazer sem chupeta, e depois é possível trocar a chupeta por uma experiência, um novo lugar para conhecer".

Mostrar às crianças imagens de bocas com dentes tortos

"Convencer a criança pelo medo, ou por imagens assustadoras não é a melhor alternativa. É preciso ter um grande esforço para continuar nesse processo, porém o amor sempre convence muito mais do que o medo, e oferecer experiências motivadoras é bem melhor. É importante que se diga os malefícios da chupeta a longo prazo, porém com uma conversa leve, explicando e incentivando sem usar de artifícios do medo e daquilo que é assustador.  Uma visita ao dentista, para que ele reforce a importância de deixar a chupeta, ou uma história que trate do tema de forma divertida e lúdica tem muito mais efeito e é muito mais motivador para os pequenos encararem esse desafio".

Passar a chupeta no alho, ou em alguma outra substância com sabor forte, para a chupeta ficar com gosto ruim

"O primeiro contato que a criança faz com o mundo é pela boca. É através da boca que a criança vai percebendo que chegou ao mundo. Percebe o seio da mãe, é alimentada e vai estabelecendo a percepção de que através da boca suas angústias, como a fome por exemplo é saciada. Especialmente para as crianças mais novas, ao introduzir algo com sabor desagradável pode estabelecer uma relação negativa com a chupeta, porém, é preciso avaliar os prós e contra dessa atitude. Isso pode trazer para a criança uma sensação desagradável com aquilo que vai comer, interferindo no processo de nutrição e alimentação.  Então é importante investir em outras formas de intervenção".

Falar sobre a “Fada da Pepê”

"Usar a imaginação e o lúdico é falar a linguagem da criança. Os contos, as fadas, o imaginário são muito bem-vindos na hora de retirar a chupeta. Os pais podem sim criar situações para que a criança entre na brincadeira, e aos poucos, ir deixando pra lá a companheira de todas as horas. Mas lembre-se: a fada é alguém encantada, muito boa e com poderes mágicos… então, ela não precisa ser a bruxa que retira a chupeta de uma hora para outra. Aos poucos ela pode aparecer na sua casa, levar a chupeta uma ou duas horas durante um passeio que você vai fazer com seu filho, depois ela pode precisar da chupeta para uma criança menor que mora lá no mundo dela, e seu filho pode ajudá-la nessa missão, e ainda mais tarde ela pode recompensá-lo com algo que ele goste de verdade. E assim gradativamente ele vai entrando nesse mundo encantado das crianças e sendo um super-herói também. Essa é uma estratégia que você pode usar para ir retirando gradativamente a chupeta, e que por estar imersa em um universo lúdico pode virar uma brincadeira prazerosa".


Pé de Chupeta e Mamadeira: universo lúdico convida crianças a deixarem a chupeta

Na EMEI Dona Leopoldina, em São Paulo, ao longo do ano, as crianças participam de um projeto que envolve celebração e agradecimento à natureza, crescimento e, claro, largar a chupeta para começar uma nova fase.

O grande Ipê Branco, batizado carinhosamente pela comunidade escolar de "Pé de Chupeta e Mamadeira",  que fica no pátio da escola, e as crianças, juntos, são protagonistas de um ritual de troca que consiste em oferecer à árvore sua mamadeira e/ou chupeta em troca de flores, folhas e de uma sombra generosa.

"Nossa Escola tem um trabalho especial com a Educação Ambiental e as árvores são muito queridas e respeitadas pelas crianças, que logo se apaixonam ao ver a florada. Nesse projeto trabalhamos com a autoria e o protagonismo dos pequenos que se sentem grandes quando são capazes de tomar uma decisão tão difícil, cada um ao seu tempo, respeitando-se as singularidades e desejos", comenta Márcia Covelo Harmbach, a Diretora da EMEI.

O projeto começa dentro da sala de aula. Provocadas pela professora, as crianças refletem sobre sua necessidade de tomar mamadeira e usar chupeta. "A partir dessa problematização chegam facilmente à conclusão que os bebês precisam porque não tem dentes, porque não sabem segurar o copo, enfim porque são bebês e os que estão na EMEI  não precisariam mais porque já completaram  4 e 5 anos e são capazes de segurar objetos, controlar as vontades", explica Márcia.

É hora, então, de apresentar às crianças o “ Pé de chupeta e mamadeira”. Na apresentação, a professora explica aos pequenos que o Ipê Branco adora receber chupetas e mamadeiras e que, em troca, ele retribui o presente com sua sombra, folhas e flores.

1/2

Crédito da imagem: Divulgação EMEI Dona Leopoldina

Hora de presentear o Ipê

2/2

Crédito da imagem: Divulgação EMEI Dona Leopoldina

Hora de presentear o Ipê

  • Crédito da imagem: Divulgação EMEI Dona Leopoldina

    1/2

    Hora de presentear o Ipê

  • Crédito da imagem: Divulgação EMEI Dona Leopoldina

    2/2

    Hora de presentear o Ipê

Então, quando a criança decide que é hora de entregar sua mamadeira ou chupeta, ela escolhe uma cor de fita de tecido onde é escrito o seu nome, amarra a mamadeira ou chupeta, escolhe um galho e presenteia a árvore. As crianças que não usam chupeta ou mamadeira não ficam de fora do ritual, elas fazem desenhos dos objetos e  penduram uma frase dizendo o motivo de não terem o objeto para oferecer (nunca usaram, nunca gostara, ou que os pais nunca ofereceram, por exemplo).

Para acompanhar o ritual, as crianças em roda cantam juntas uma música criada para esse momento.

Na avaliação de Márcia e do corpo docente da escola, os resultados do projeto têm sido muito positivos: além de observarem a árvore e acompanharem seu ciclo, as crianças também se confortam ao saber que seu objeto de afeto está ali, pertinho delas, no local onde brincam.

"Essa abordagem simbólica do “Pé de chupeta e mamadeira” encanta e ao mesmo tempo faz com que as crianças percebam  o ciclo da natureza, cuidando melhor das árvores, observando-as como seres vivos e mágicos. O mais bonito de tudo é que nosso Ipê floresce todo ano lindamente e cada vez mais nos dá sombra e flores, as crianças ficam encantadas com a retribuição da natureza que coincide com a época do ano que mais crianças entregam suas mamadeiras e chupetas" .

Leia também:

Devemos ensinar as crianças a bater de volta?