Amamentação é saúde, é nutrição, é conexão. Amamentação é vida. Conforme trouxemos recentemente numa matéria aqui, no Catraquinha, se todos os bebés fossem amamentados nos primeiros dois anos de vida, seriam evitadas mais de 820 mil mortes infantis, segundo levantamentos das agências da ONU.

Pensando nisso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), lançaram esta semana um guia com 10 passos para aumentar o apoio ao aleitamento materno nos hospitais.

Créditos: iStock

O guia tem por objetivo estimular a amamentação, atuando não só com as mães, como em relação às unidades de saúde.

O guia servirá como orientação, descrevendo passos práticos que os países devem adotar para proteger, promover e apoiar o aleitamento materno nas unidades de saúde. Trata ainda da recomendação da OMS da amamentação na primeira hora de vida do bebê e exclusiva até os seis meses.

É importante que todos os hospitais tenham uma política clara e escrita a respeito, determinando inclusive o papel dos profissionais de saúde que lidam com as puérperas.

Créditos: iStock

Segundo pesquisa, o aleitamento materno evitaria cerca de 820 mil mortes por ano.

Outro ponto que vale destacar é que o documento recomenda o uso limitado de substitutos do leite materno, a educação dos pais sobre o uso de mamadeiras e chupetas e apoio para quando mães e bebés recebem alta.

O novo guia faz parte da iniciativa Hospital Amigo do Bebê, que existe desde 1991. Ainda de acordo com estudos das as agências da ONU, a amamentação traz benefícios que se estendem por toda vida – ela melhora o quociente de inteligência (QI), a frequência escolar, evita doenças, etc.

Leia mais:

'Tetê' mágico: Amamentação pode evitar 823 mil mortes por ano

Projeto questiona mitos e falta de informação sobre a amamentação

Amamentação: livre demanda não é escolha fácil, é preciso apoio