Em um país fortemente marcado por desigualdades educacionais, sociais, econômicas e políticas pode a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) ser um instrumento para o fortalecimento de crianças e jovens transformadores?

Nos próximos três meses o documento, entregue ao Conselho Nacional de Educação, passará por audiências públicas e, depois de homologado e sancionado, passará a valer em todas as escolas brasileiras. Para debater as mudanças propostas, o Programa Escolas Transformadoras realiza um debate online sobre tema "A Base Nacional Comum Curricular".

Créditos: shutterstock

A Base Nacional Comum Curricular.

O objetivo da conversa é promover a reflexão sobre as competências estabelecidas pela BNCC, tendo como exemplo iniciativas de duas escolas já reconhecidas pelo Programa Escolas Transformadoras. Os convidados discutirão a proposta de revisão e a elaboração dos currículos sob a perspectiva da formação integral da construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva. O debate será transmitido ao vivo, no dia 2 de maio (3ª-feira), às 19h30, clique aqui para acompanhar.

Participam da conversa Ana Helena Altfender, superintendente do CENPEC e membro da comunidade ativadora do Programa Escolas Transformadoras e dois representantes de duas Escolas Transformadoras: Moacir Fagundes de Freitas, professor da Escola Municipal Anne Frank, de Belo Horizonte (MG) e Fátima Limaverde, fundadora e diretora da Escola Vila, de Fortaleza (CE).

10 escolas brasileiras que se propõem a formar sujeitos transformadores

O que muda na educação das crianças com a nova Base Curricular?