Será que ouvimos as crianças como deveríamos? Mesmo quando o foco são as decisões que terão impacto sobretudo na vida delas, damos a oportunidade de fala? A Rede Nacional Primeira Infância concluiu que não e, para virar esse quadro, decidiu incluir os pequenos da roda de discussão.

Assim nasceu o projeto Crianças na Rede, publicado em 2010.  Pela primeira vez no Brasil um plano que diz respeito às crianças considerou o ponto de vista delas.

O Plano Nacional pela Primeira Infância contribui para a concepção das políticas públicas relativas aos cuidados e à educação das crianças pequenas, de zero a seis anos. Envolve não apenas a educação infantil, mas tudo aquilo de que elas precisam para crescer saudáveis, seguras e capazes de aprender: saúde, nutrição, vida em família e em comunidade.

E para se comunicar com as criança não basta ter uma sala com cadeiras em círculo, certo? Isso é coisa de adulto. Por isso, o jeito de ouví-las é brincando. E nem apenas as palavras dizem tudo, mas os gestos, desenhos, olhares, sorrisos ou não sorrisos. Tudo é informação.

"O mais surpreendente foi perceber a clareza com que as crianças elegeram suas prioridades. Bons pais, antes de tudo, 'os protetores da criança', nas palavras delas. Depois, casa e comida, que 'sem casa vai morar embaixo da ponte', e sem comida 'fica doente e acaba no hospital'. Além disso, uma boa escola, em que brincar e aprender aconteçam simultaneamente, e um hospital alegre, pois 'brincando a gente sara mais depressa'", diz a a apresentação do documento.

Créditos: iStock

A mostra da pesquisa contou com 95 crianças, de 5 e 6 anos, das cinco regiões do Brasil

A leitura do conteúdo é importante não apenas para responsáveis por leis e políticas públicas, mas também por mães, pais e cuidadores. As crianças falaram sobre suas necessidades e sobre o que não podem ficar sem em primeira pessoa.

"Quando se fala na criança sujeito de direitos, fala-se de todos os direitos garantidos à pessoa, entre eles o direito de participar e expressar sua opinião livremente; buscar, receber e transmitir ideias e informações; direito à liberdade de pensamento e de crenças, sempre considerando a idade, maturidade e o estágio de desenvolvimento da criança", afirma outro trecho.

Segundo o estudo, o Brasil tem mais de 23 milhões de crianças com até seis anos de idade, com diversidade de repertórios, costumes e condições de vida que se poderia falar em muitos Brasis. Não foi possível abranger todos eles nesta primeira vez.

A mostra da pesquisa contou com 95 crianças, de cinco e seis anos, das cinco regiões do Brasil: Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul, que, no conjunto, representam um pouco da diversidade brasileira. As crianças foram selecionadas por empresa especializada em recrutamento e pesquisa, equilibrando crianças

Houve o cuidado de mesclar os perfis de cada uma delas, garantindo ouvir usuárias de serviços de saúde e educação da rede pública e privada, nas classes AB e CD. Ao todo, formaram-se 16 grupos, com média de seis participantes, em nove capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Brasília, Recife, Porto Alegre, Florianópolis, João Pessoa e Manaus.

“As crianças conseguem surpreender: colocaram dois temas que não estavam nas prioridades da pesquisa e estão entre as necessidades mais básicas e, portanto, mais legítimas do ser humano: comida e casa. As crianças revelam, em cores e em uníssono, que sabem exatamente o que não podem ficar sem: criança não pode ficar sem comer e sem beber. E não pode ficar sem casa. Isso veio livremente de todas as crianças”, contou a pesquisadora Fátima Belo.

Veja abaixo algumas frases das crianças e, para ler o conteúdo completo, clique aqui.

Precisa de comida:

  • “Se não comer fica branco, amarelo, roxo”.
  • “Se não beber, fica desidratado”.
  • “Açúcar engorda, estraga os dentes”.
  • “Tem criança pobre que não tem comida. É muito ruim”.

Precisa ter uma casa e precisa de espaço:

  • “Tem que tampar os buracos e pintar”.
  • “Todo mundo precisa ter casa senão vai morar embaixo da ponte, vai ficar doente”.

Precisa ficar junto da família:

  • “Sem família, a criança se perde na floresta e chora”.
  • Os pais são os “protetores das crianças”.
  • “Quando eu faço alguma coisa errada meu pai diz: Arthur, Arthur, Arthur!”.
  • “Falta paz e alegria em casa, todo dia sai briga”.
  • “O padrasto me xinga porque eu brinco de Barbie”.
  • “A família que não faz nada junto, fica triste”.
  • “Família é estar junto”.

Leia mais:

A importância de escutar a criança sem interromper

'Escutar as crianças é uma forma de cuidar da infância', diz pesquisador

Tom Zé: a criança é um futuro que nasce todos os dias