Toda criança tem direito à uma infância feliz. Mas, infelizmente, nem todas têm esse direito assegurado, e esse é o caso das crianças refugiadas. Para dar maior visibilidade à essas crianças, e seus direitos violados, o brasileiro André Naddeo lançou o projeto Drawfugees.

Para das voz à essas crianças, usando papel e lápis, ele as convidou a fazer um desenho sobre o que estão sentindo. Os desenhos, junto de imagens das crianças, são divulgados na página do projeto.

“As crianças mostram muitas das emoções, ambições e preocupações através do desenho. Muitos estão sozinhos, longe dos pais, perdendo um período tão precioso da vida. O Drawfugees é um instrumento para traduzir de forma bem direta o sentimento destes meninos e meninas“, disse em entrevista ao Hypeness.

Confira algumas imagens a seguir:

1/11

 

Ahmad, 12, Síria – “Eu estou sozinho aqui. Toda a minha família ainda está lá, tentando sobreviver. Este desenho representa meu pai, minha mãe e meu irmão. E todo o meu país. Às vezes eu fecho os olhos e me sinto em casa. Eu sinto tanta falta deles“.

2/11

 

Rauan, 6, Síria. “Esta sou eu. Eu amo desenhos. Fazem com que eu me sinta dentro do meu próprio sonho“.

3/11

 

Frdos, 14, Afeganistão. “Eu sou afegão, então eu decidi colocar a bandeira no lado do meu coração. Eu tenho muito orgulho disso e quero que todos saibam“.

4/11

 

Bayane, 10, Síria. “Esta sou eu, chorando. Eu me sinto muito triste aqui. Na Síria pode não ter mais pão para comer, ou dinheiro para sobreviver, mas nós somos um povo maravilhoso, todos precisam saber disso. A Síria é a minha pátria-mãe e eu sinto saudades“.

5/11

 

Lulu, 6, Síria. “Eu escolhi desenhar um barco. Foi assim que eu vim para a Grécia. Em um barquinho“.

6/11

 

Magied, 8, Afeganistão. “Eu amo flores porque elas são como a vida deveria ser: coloridas“.

7/11

 

Asma, 10, Afeganistão. “À direita, a bandeira do meu país. À esquerda, a Grécia, onde eu vivo por enquanto. No meio, o Bob Esponja, meu desenho preferido. Mas eu não posso mais assistir porque não tem televisão aqui no porto“

8/11

 

Linin, 9, Iraque. “Esta é a minha cidade, Bagdá, e eu. Ah, e o arco-íris, tão colorido. Eu sinto falta das cores do meu país. Na verdade, eu sinto falta de muitas coisas“.

9/11

 

Hebir, 13, Afeganistão. “Nesta semana, a tocha olímpica passou por aqui antes de seguir para o Brasil, mas eu não consegui vê-la. Este é o ex-jogador brasileiro de vôlei Giovane Gávio carregando a tocha. Eu queria ver as Olimpíadas 2016 no Rio de Janeiro, seria um sonho“

10/11

 

Fatima, 5, Síria. “Eu não sei desenhar direito. Eu sou tímida“.

11/11

 

Ahmad, 12, Síria. “Quando eu olho para o mar, meu sonho é ir embora daqui e ir até uma ilha isolada, onde não há guerras. Apenas paz e tranquilidade. E amor“

  •  

    foto: reprodução Draw Fugees

    1/11

    Ahmad, 12, Síria – “Eu estou sozinho aqui. Toda a minha família ainda está lá, tentando sobreviver. Este desenho representa meu pai, minha mãe e meu irmão. E todo o meu país. Às vezes eu fecho os olhos e me sinto em casa. Eu sinto tanta falta deles“.

  •  

    foto: reprodução Draw Fugees

    2/11

    Rauan, 6, Síria. “Esta sou eu. Eu amo desenhos. Fazem com que eu me sinta dentro do meu próprio sonho“.

  •  

    foto: reprodução Draw Fugees

    3/11

    Frdos, 14, Afeganistão. “Eu sou afegão, então eu decidi colocar a bandeira no lado do meu coração. Eu tenho muito orgulho disso e quero que todos saibam“.

  •  

    foto: reprodução Draw Fugees

    4/11

    Bayane, 10, Síria. “Esta sou eu, chorando. Eu me sinto muito triste aqui. Na Síria pode não ter mais pão para comer, ou dinheiro para sobreviver, mas nós somos um povo maravilhoso, todos precisam saber disso. A Síria é a minha pátria-mãe e eu sinto saudades“.

  •  

    foto: reprodução Draw Fugees

    5/11

    Lulu, 6, Síria. “Eu escolhi desenhar um barco. Foi assim que eu vim para a Grécia. Em um barquinho“.

  •  

    foto: reprodução Draw Fugees

    6/11

    Magied, 8, Afeganistão. “Eu amo flores porque elas são como a vida deveria ser: coloridas“.

  •  

    foto: reprodução Draw Fugees

    7/11

    Asma, 10, Afeganistão. “À direita, a bandeira do meu país. À esquerda, a Grécia, onde eu vivo por enquanto. No meio, o Bob Esponja, meu desenho preferido. Mas eu não posso mais assistir porque não tem televisão aqui no porto“

  •  

    foto: reprodução Draw Fugees

    8/11

    Linin, 9, Iraque. “Esta é a minha cidade, Bagdá, e eu. Ah, e o arco-íris, tão colorido. Eu sinto falta das cores do meu país. Na verdade, eu sinto falta de muitas coisas“.

  •  

    foto: reprodução Draw Fugees

    9/11

    Hebir, 13, Afeganistão. “Nesta semana, a tocha olímpica passou por aqui antes de seguir para o Brasil, mas eu não consegui vê-la. Este é o ex-jogador brasileiro de vôlei Giovane Gávio carregando a tocha. Eu queria ver as Olimpíadas 2016 no Rio de Janeiro, seria um sonho“

  •  

    foto: reprodução Draw Fugees

    10/11

    Fatima, 5, Síria. “Eu não sei desenhar direito. Eu sou tímida“.

  •  

    foto: reprodução Draw Fugees

    11/11

    Ahmad, 12, Síria. “Quando eu olho para o mar, meu sonho é ir embora daqui e ir até uma ilha isolada, onde não há guerras. Apenas paz e tranquilidade. E amor“

Com informações de Hypeness.