O Cecip - Centro de Criação de Imagem Popular realiza no dia 25 de outubro, terça-feira, a cerimônia de entrega do Segundo Prêmio Nacional de Projetos com Participação Infantil.

O objetivo do prêmio é identificar, reconhecer e premiar projetos que incluam a participação das crianças pequenas, até os 12 anos completos, em todo território nacional. Poderão se inscrever organizações públicas e privadas que comprovem sua atuação há pelo menos um ano e que apresentem projetos que contemplem processos em que as crianças têm uma efetiva participação. Três projetos serão premiados e o vencedor ganha R$10.500.

Conheça os quatro projetos finalistas

1/4

Crédito da imagem: divulgação

Espaço Cultural Vila Esperança - Comunicação Educativa Rádio da Vila do Espaço Cultural Vila Esperança (GO).

2/4

 

EMEI Dona Leopoldina - Pequenos conselheiros, grandes ideias (SP).

3/4

Crédito da imagem: divulgação

Criacidade - Projeto criança fala - Criança fala na comunidade - Cidade que brinca (SP).

4/4

Crédito da imagem: divulgação

Rede de Vizinhos Amigos da Rua (MG).

  • Crédito da imagem: divulgação

    1/4

    Espaço Cultural Vila Esperança - Comunicação Educativa Rádio da Vila do Espaço Cultural Vila Esperança (GO).

  •  

    2/4

    EMEI Dona Leopoldina - Pequenos conselheiros, grandes ideias (SP).

  • Crédito da imagem: divulgação

    3/4

    Criacidade - Projeto criança fala - Criança fala na comunidade - Cidade que brinca (SP).

  • Crédito da imagem: divulgação

    4/4

    Rede de Vizinhos Amigos da Rua (MG).

Participação infantil

Para a cientista social Mariana Koury,  fomentar a participação é mais do que apenas escutar as crianças: "é escutá-las e de fato considerar suas falas agindo em prol da efetivação dos seus desejos". “Entende-se que a criança deve opinar sobre temas na escola – do currículo ao uso dos espaços, participar de discussões sobre obras e planejamento urbano na sua rua, comunidade ou bairro, debater temas em espaços políticos como Conselhos de Direitos e Câmara dos Vereadores, entre outros âmbitos, considerando que as crianças são sujeitos fundamentais na construção de uma sociedade democrática”, afirmou a pesquisadora em entrevista ao Catraquinha.