Se você se incomoda com roupas criadas para um gênero específico nas araras das lojas, uma boa notícia: a britânica John Lewis, uma das maiores redes de lojas de departamento da Europa, anunciou que deixará de vender peças com distinção de meninos e meninas em seus 48 pontos.

De acordo com informações do jornal El País, a rede tomou a decisão para “não reforçar os estereótipos de gênero”. Assim, não terá mais seções para eles e para elas, mas vai expor as roupas juntas para que o consumidor eleja as peças que quer levar.

Créditos: Divulgação

Roupas têm etiquetas para meninos e meninas

Além disso, todas as roupas para crianças e jovens de 0 a 14 anos terão etiquetas neutras, mesmo as saias e os vestidos. A rede ainda vai lançar uma linha com peças para “gênero não específico”, com desenhos de soldados de brinquedo, safáris, naves espaciais e dinossauros.

Entre muitas manifestações de apoio que circularam pelas redes, o grupo de ativistas Let Clothes Be Clothes elogiou a ação: “É uma notícia fantástica e esperamos que outras lojas e varejistas caminhem na mesma direção. Uma camiseta deve ser apenas uma camiseta e não uma camiseta só para meninas ou para meninos”.

Veja a notícia na íntegra aqui.

Leia mais:

Primeiro brinquedo transgênero é criado para combater transfobia

Casal decide criar bebê sem definir seu gênero e sofre represália