Créditos: Reprodução/Youtube/RyanToysReview

Aos 6 anos, Ryan está entre os youtubers mais bem colocados

Se você tem uma criança em casa, provavelmente já viu vídeos em que outras crianças aparecem desembrulhando brinquedos, vários deles. Youtubers mirins têm feito isso aos montes, e os pequenos que assistem ficam fascinados.

A narrativa das gravações é a mesma: meninas e meninos abrem pacotes de presentes e reagem com uma expressão de surpresa e alegria. Às vezes, são pilhas de brinquedos.

Esse estilo de vídeo, que têm se tornado uma febre mundial pra as crianças, é chamado de “unpacking”, em inglês. Em português, o significado é “desembrulhar”.   

Segundo uma notícia publicada pela BBC em 12 de dezembro, um dos youtubers mirins de mais sucesso é o pequeno Ryan. Aos seis anos de idade, o menino americano é protagonista do Ryan ToysReview, um canal de vídeos cuja missão é desempacotar brinquedos para brincar com eles.

De acordo com o levantamento "As estrelas do Youtube mais bem pagas do mundo em 2017", elaborada pela revista Forbes, o canal de Ryan é o oitavo do mundo no ranking dos que mais geram receitas.

Desde que foi lançado, em março de 2015, o canal acumula 16,87 bilhões de visualizações. Só em 2016 as movimentações foram de US$ 11 milhões (o equivalente a R$ 36,27 milhões).

Então, quais serão os impactos que esse tipo de conteúdo pode trazer para as crianças?

Uma das bandeiras do Catraquinha, pensando em uma infância saudável e com mais presença do que presentes, é a importância de previnir que crianças sejam bombardeadas pela publicidade desde cedo.

Um texto publicado pelo site Milc (Movimento Infância Livre de Consumismo) e escrito pelas ativistas Debora Regina Magalhães Diniz, Mariana Sá e Vanessa Anacleto, explica o fenômeno do unpacking a partir dessa perspectiva: a ideia de “ter para ser” que essa nova onda propaga pode ser muito nociva.

Veja abaixo três perguntas e respostas rápidas sobre o assunto. Para ler na íntegra, clique aqui. Para saber mais sobre as autoras e sobre o Movimento, acesse esse link.

  • Por que tantas crianças estão fissuradas por esse tipo de vídeo?

Porque abrir presentes e ver brinquedos é uma coisa que encanta, gera expectativa, surpresa. Porque criança se comunica muito bem com criança: a imersão possibilitada pela tela mimetiza uma intimidade, é como se estivesse ouvindo a opinião de um amigo sobre o brinquedo. E as crianças sonham em viver aquilo. Esses vídeos estão aos montes no Youtube Kids, ou seja, muitos pais ficam confiantes acreditando que estão protegendo seus filhos de vídeos inadequados, mas não percebem que as crianças continuam sendo alvo da publicidade e de uma forma muito mais sutil e de difícil defesa.

  • Qual o problema desse fenômeno?

Pra começar, o problema maior é o fato de crianças, desde muito novas, transformarem um  - em até certo ponto desejado - protagonismo infantil em trabalho. Além dos prejuízos em potencial às crianças que trabalham, as que assistem também são afetadas negativamente, já que ficaram ansiosas por conta do desejo de consumo despertado por tais vídeos.

  • O que fazer?

Evite que as crianças assistam esse tipo de vídeo. Não há qualquer vantagem em consumir esse tipo de mídia. Se for impossível proibir definitivamente, assista junto e problematize cada trecho.


Leia mais:

Mãe diz 'não' a vídeos em que crianças aparecem abrindo presentes

'Não compre essa boneca, seu filho merece mais', diz psiquiatra