Na última sexta-feira, 9 de fevereiro, foi divulgada no Diário da União a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que passou a proibir a venda, fabricação e divulgação da fralda descartável Megafral Baby, da Megafral Indústria e Comércio Ltda.

A fabricação sem registro do produto pela empresa é irregular e a Anvisa determina que a seja recolhido todo o estoque existente no mercado. Segundo o Metropoles, a empresa, que tem sede no Rio Grande do Norte, informou que não fabrica mais o item desde 2012 e que não renovou o registro porque alterou o nome da fralda para Confort.

A Agência exige que qualquer mercadoria que tenha como finalidade saúde e alimentação esteja registrada, garantindo segurança e evitando riscos à saúde.

Créditos: Divulgação

A Anvisa proibiu a venda, fabricação e divulgação da fralda Megafral Baby por falta de registro

Além das fraldas, a Anvisa proibiu as vendas do higienizador bucal para fumantes Fumodex, também por falta de registro, e do lote 011 do álcool em gel Palmindaya, por apontar resultado insatisfatório no teor alcoólico durante os testes, de acordo com o Laboratório Central de Saúde Pública do Paraná.

Leia Mais:

Pesquisa aponta marcas nacionais de tapioca com excesso de sódio

Pais adotam fraldas de pano para economizar e proteger o meio ambiente

Higiene natural: conheça a técnica que dispensa fraldas do bebê