Depois que contamos aqui a história da Malu, que escolheu o tema Preta De Neve para sua festa de aniversário, descobrimos que uma outra família na cidade do Rio de Janeiro escolheu um tema original e empoderador para a primeira festa de aniversário do filho Joaquim: Kiruku, a lenda do bebê guerreiro.


"Kiriku" é uma lenda africana que conta a história de um recém-nascido guerreiro que salvou toda uma aldeia de uma feiticeira. A história já virou filme, espetáculo de teatro e foi traduzida para mais de 50 países.


Priscila relata que encontrou muita dificuldade ao procurar fornecedores para fazer a decoração. “Nossa, com tanto super herói bonitinho por aí e você escolhe esse para festa de um ano de seu filho? Por que não faz do Superman ou do Hulk?” ou “Esse tema de Kiriku é de Orixá? Se for eu não tenho interesse porque sou evangélica e não mexo com essas coisas não” foram algumas das frases ouvidas pela mãe.

Mas isso não a desanimou. “Vimos o quanto urgente era fazer uma festa de aniversário infantil com este tema. Já não era só uma questão particular, havia se tornado algo maior”, disse a mãe. A família encontrou uma empresa que topou o desafio de maneira respeitosa e animada.

Créditos: Arquivo pessoal

"A gente não vai formar uma geração compretida com a igualdade racial e com o respeito, a diversidade, se a gente não educar negros, brancos e indígenas".

Ao Catraquinha, a pedagoga Priscila de Jesus contou que  filme “Kiriku e a feiticeira” foi a primeira animação infantil que Joaquim conheceu.  "Eu sempre me comprometi a apresentar aos meus alunos e alunas, em sua maioria negros, histórias infantis que trouxessem representatividade. Com meu filho não poderia ser diferente".  Priscila faz questão de ressaltar que a escolha do tema reside no desejo de apresentar ao filho referenciais afirmativos sobre crianças negras.

“Kiriku é um bebê que nasce com uma missão muito linda e importante. Ele é um herói! Apesar de ser pequeno. Mostra que os pequenos podem fazer coisas grandiosas e isto é fundamental para construção afirmativa da autoestima de nossas crianças.”

Os convidados saíram da festa inspirados: "Ouvi falas emocionadas de adultos que disseram nunca ter participado de festas infantis em toda sua vida, onde uma criança negra fosse o personagem principal”, relembrou a mãe.

Confira as fotos e inspire-se

Créditos: arquivo pessoal

As roupas da família foram confeccionados por artesãos do Rio de Janeiro que produzem roupas com tecido africano.

Créditos: arquivo pessoal

A mãe de Joaquim é baiana e o pai é mineiro.

Créditos: arquivo pessoal

Apesar do primeiro filme da trilogia, “Kiriku e a Feiticeira” ter sido lançado em 1998, muitos ainda não haviam ouvido falar sobre ele.

Créditos: arquivo pessoal

Os convidados ganharam um DVD contendo os três filmes do Kiriku.

Créditos: arquivo pessoal

As crianças ganharam livrinhos de colorir com imagens dos filmes.

Créditos: arquivo pessoal

A festa aconteceu em outubro de 2016 no salão do prêmio onde mora a família.

Créditos: arquivo pessoal

"Joaquim apresenta seu amigo Kiriku".

Créditos: arquivo pessoal

"A gente não vai formar uma geração comprmometida com a igualdade racial e com o respeito se a gente não educar negros, brancos e indígenas".

Créditos: arquivo pessoal

"Eu entendo que a educação para as relações raciais tem que ser para todas as crianças".

Créditos: arquivo pessoal

"Passamos horas tentando desenhar o esboço do bolo e saiu ainda melhor do que imaginávamos".

Famosa lenda africana de bebê guerreiro vai virar série de livros

Imagem Autor

Jornalista, editora do Catraquinha e mãe do Joaquim, de quatro anos.

+ posts do autor