O casal Danielle Thrasher e Joseph Odom, de Indiana (EUA), foi surpreendido várias vezes: depois de um teste positivo de gravidez, um ultrassom revelou que não era apenas um bebê, mas dois. Uma semana depois, novo exame mostrou que havia mais um nenê escondido. Com 13 semanas de gestação, novo susto: eram quadrigêmeos!

Créditos:

Danielle e Joseph, que tiveram quadrigêmeas concebidas naturalmente

Apenas uma em cada 700.000 mulheres engravidam naturalmente de quatro crianças. As informações são do "Daily Mail".

"Eu me virei para Joseph e disse: 'O que vamos fazer?', no meio do ultra-som", disse a mãe. Segundo ela, o pai ficou calmo após a grande revelação. "Para ele foi como: 'Está bem, é apenas mais um'."

Danielle, de 32 anos, tem irmãos gêmeos, o que aumenta a chance de uma gestação múltipla. Os médicos chegaram a recomendar a redução dos fetos, já que as estatísticas apontam uma chance maior para aborto espontâneo nesse tipo de gravidez. Mas os pais decidiram manter todos os bebês.

Créditos:

A partir do canto superior esquerdo, no sentido horário, as gêmeas Zoey, Lyla, Arya e Maya Odom

"Realmente sentimos em nossos corações que, se Deus quisesse nos dar quatro, teríamos quatro", disse Danielle. "Nós não poderíamos viver conosco sabendo que precisamos escolher dois."

As meninas Lyla, Maya, Arya e Zoey nasceram em agosto, com 27 semanas e cinco dias de gestação e estão internadas em UTI neonatal até que ganhem peso suficiente e capacidade de respirar sozinhas para, então, ir para casa. Lyla, Arya e Zoey estão ganhando peso satisfatoriamente, mas Maya ainda está mais frágil.

Danielle tem viajado cerca de 30 min todos os dias para ir ao hospital amamentar as filhas. Joseph também vai à UTI e os pais têm usado o método do canguru, que consiste em colocar o bebê prematuro em contato pele a pele com seu cuidador (pai, mãe ou um irmão). Além do amor, segurança e carinho que o gesto transmite, estudos indicam que ele também é mais efetivo para o cuidado dos bebês do que a incubadora.

A surpresa das quadrigêmeos afetou financeiramente o casal, que vive em um apartamento de um quarto e não possui um carro grande o suficiente para quatro lugares. E os planos também mudaram: o casal, que está junto há três anos, pretendia se casar em breve, mas isso vai ficar para depois. "As necessidades das meninas vêm primeiro", disse Danielle.