“Essa criança não tem mãe, não?” – quantas vezes você já ouviu essa frase? Por que é que nós, enquanto sociedade, acostumamos as crianças a procurarem e recorrerem sempre às mães e nunca aos pais? Por que é que nós sempre buscamos por elas ou ainda as culpamos pelos maus comportamentos dos filhos?

Esses comportamentos estão presentes no nosso dia a dia porque fazem parte de uma construção sócio-histórica do machismo na sociedade patriarcal em que estamos inseridos. Por isso, as crianças sempre se voltam para as mães quando precisam de algo, quando estão chorando, para quase tudo.

A blogueira Claire Shrimpton, cansada de toda essa sobrecarga, fez um desabafo ao site australiano Kidspot, questionando o porquê de seus três filhos ignorarem a presença do pai quando estão em apuros e sempre se dirigirem a ela.

Créditos: Reprodução/Kidspot

"O momento em que eu estou no banheiro parece ser o mais comum para que eles de repente precisem dos meus serviços. Eles se sentem tão confortáveis que não hesitam em abrir a porta para fazer seu pedido".

“Há dois adultos na minha família, mas aparentemente meus filhos não estão cientes disso. Eles vão se esquivar do pai e procurar por mim todas as vezes que precisarem de algo” – disse ela.

Seja para encontrar um objeto perdido ou para dizer que estão com fome ou com vontade de ir ao banheiro, é sempre a mãe. "Costumo lembrar meus filhos que o pai deles é muito capaz de fazer coisas por eles, mas eles parecem ignorar isso” – diz o relato.

Confira o texto completo:

"Há dois adultos na minha família, mas aparentemente meus filhos não estão cientes disso. Eles vão se esquivar do pai e procurar por mim todas as vezes que precisarem de algo. Eu adoraria imaginar que isso tenha algo a ver com o fato de que passaram nove meses no meu útero ou porque eu os nutri pelo primeiro ano de vida, mas suspeito que seja algo um pouco mais simples do que isso. Eu acho que é simplesmente porque eu sempre estou por perto.

Costumo lembrar meus filhos que o pai deles é muito capaz de conseguir coisas para eles, mas eles parecem ignorar isso. O pai deles é realmente proativo, então é um mistério para mim que eu seja sempre a primeira escolha, mesmo quando o pai deles está lá à disposição. Eu sinceramente acho que a única pergunta que eles fazem é: "cadê a mamãe?"

O momento em que eu estou no banheiro parece ser o mais comum para que eles de repente precisem dos meus serviços. Eles se sentem tão confortáveis que não hesitam em abrir a porta para fazer seu pedido. Seu senso de urgência geralmente não corresponde à necessidade. Eles podem correr gritando sobre como eles não conseguem encontrar uma carta Pokemon ou um brinquedo que ganharam dois anos atrás, que de repente se tornou crucial para uma brincadeira que não pode esperar nem mais um segundo sequer.

Eu também sou a "guardiã" da dispensa. Nenhuma criança pode comer, exceto através de mim, ou pelo menos é isso que parece. Eu devo ser honesta e admitir que, às vezes, quando estão desesperados, meus filhos pedem comida ao pai, mas geralmente não estão satisfeitos com a resposta dele. Quando eu pergunto por que eles não podem perguntar ao pai eu recebo, “eu perguntei, ele disse que não”.

Meus meninos supõem que praticamente qualquer coisa na casa só pode ser localizada pelo meu radar. Qualquer coisa! Sapatos, uniformes escolares, lancheiras, bolsas de biblioteca, óculos de proteção? Só eu posso encontrar. Eles até zombam quando sugiro que o pai pode procurar os itens enquanto eu estou ocupada. A ironia é que geralmente eu acabo pedindo ao meu marido para encontrá-los, porque ele é realmente melhor em encontrar todas as coisas.

Meu marido tem uma teoria e apesar da minha resistência inicial, acho que ele pode estar certo. Sua teoria é que eu sou um pouco permissiva. Eu prefiro pensar que como passo mais tempo com as crianças, às vezes, é mais fácil deixá-los fazer o que querem do que dizer não e lidar com as consequências.

Meus filhos também ficam bastante preocupados quando saio para passear sem eles. Eles reclamam, “por que você tem que sair?” Tenho certeza que eles estão preocupados que, enquanto eu estiver fora, eles não tenham ninguém para pedir comida / água / roupas, apesar de seu pai estar lá. Agora, quando o papai sai para passear, ele é cumprimentado com hi-fives e "boa diversão".

Quando tive que fazer uma cirurgia na coluna, nós preparamos os meninos para que soubessem que eu ficaria "afastada" por um tempo. Assim que cheguei em casa depois da cirurgia, ouvi os pequenos atacando o pai: "Estou com fome, você pede alguma coisa?". Até que o mais faminto dos três entrou na sala de estar. “Mãaaaaae, você pode pedir ao papai para nos fazer um sanduíche?"

Quem se identifica?

Leia mais:

Blogueira faz desabafo sobre a sobrecarga materna e viraliza

Maternidade e a solidão no século XXI: 'não dou conta de tudo'

Trabalho x Maternidade: Chef Bel Coelho posta selfie de protesto