O amor é sempre o caminho, o amor é sempre a resposta. E falar de amor para as crianças é sempre muito mais simples, afinal, elas são puras e conseguem enxergar muito além do que nós, adultos, vemos. Foi assim com essa história enviada ao site Love What Matters, pela norte-americana Katie Cloyd, de Nashville.

Após 30 anos de casamento, o pai de Katie a chamou para assumir que estava apaixonado por outro homem. Embora sempre tivesse suspeitado, ela confessa que não foi tão simples lidar com a revelação: “a transição para um novo tipo de família não foi sem seus desafios. Nós não conseguimos fazer isso perfeitamente”.

Créditos: Reprodução/Love What Matters

Casado há 30 anos, o pai de Katie assumiu que estava apaixonado por outro homem e decidiu se casar.

Na época, o filho mais velho de Katie tinha apenas um ano. Em todo caso, seria preciso explicar a eles a situação, e então surgiu um desafio: como faria para esclarecer, de maneira didática, que o avô se casaria com outro homem?

“Felizmente, percebi que estava sendo uma idiota. Como você explica a coisa toda gay para as crianças? Você não explica”, concluiu então.

Ela percebeu então que, na verdade, não era preciso explicar, que as crianças entenderiam sem qualquer dificuldade e que, se algum preconceito chegasse até elas no futuro, por mais difícil e sofrido que fosse, superariam juntos.

“Apesar dos meus melhores esforços, algum idiota vai expor meus garotos a um absurdo anti-LGBT em algum momento. Vivemos em uma pequena cidade em um estado vermelho no cinturão da Bíblia. Isso vai acontecer. Estou preparada para algumas lágrimas e muitas perguntas, mas talvez elas me surpreendam” – disse.

Créditos: Reprodução/Love What Matters

O amor vence tudo <3

Assim, numa cerimônia simples, ao ar livre, com uma celebrante, os dois se casaram e as crianças ganharam então uma nova família, numa nova configuração. E viveram felizes para sempre.

Confira abaixo o depoimento na íntegra, adaptado ao português:

“Meu pai veio para mim quando eu tinha 28 anos e ele tinha 49 anos. Meus pais tinham acabado de celebrar seu 30º aniversário de casamento. Então, isso foi divertido.

Quer dizer, eu não fiquei chocada. Foi a confirmação da minha suspeita de longa data.

Mas, embora eu tenha percebido, quando se tornou real, pareceu muito mais pesado do que eu imaginara. A transição para um novo tipo de família não foi sem seus desafios. Nós não conseguimos fazer isso perfeitamente. Eu gostaria de poder dizer que chegamos perto, mas confie em mim – nós nem chegamos perto.

Mas em breve, nós entendemos as coisas como sempre fazemos. No começo da primavera, eu me vi do lado de fora de nossa igreja progressista e totalmente inclusiva em uma tarde ensolarada, assistindo meu pai se casar com um cara que ele amava. Quer dizer, eu amo todos os tipos de amor, mas eu definitivamente pensei que o beijo de casamento seria estranho.

Não porque eles são ambos homens – quem você pensa que eu sou? Só porque era meu pai.
Mas não foi estranho, e agora é como se Doug estivesse sempre aqui. O dia do casamento deles foi um dos dias mais felizes da minha vida. Eram apenas os dois, duas testemunhas e uma Juíza de Paz em pé em um campo, mas parecia a celebração mais bonita.

Meu filho mais velho tinha apenas um ano quando meu pai casou, mas eu me preocupei muito imediatamente sobre como eu explicaria “toda a coisa gay” para ele. Eu vi tantos pais expressando preocupação ou indignação quando o amor LGBT é incluído em qualquer coisa que seus filhos possam ver, e isso me fez sentir como se meu filho fosse CONFUNDIDO pelo seu próprio avô. Eu claramente precisava preparar fluxogramas e gráficos e livros didáticos e diagramas. Que uma montanha russa iria ser!

Felizmente, percebi que estava sendo um idiota. Como você explica a coisa toda gay para as crianças? Você não explica. Por que isso seria diferente?

Se você perguntar às crianças sobre Pepere e Doug, eles dirão que eles são “uma família juntos”. Eles sabem que Pepere é meu pai e Doug não, mas ambos são seus avós. Eles sabem que todos nós nos amamos e o amor nos faz uma família. Eles farão mais perguntas quando as tiver. Eu não preciso fazer mais nada.

Apesar dos meus melhores esforços, algum idiota vai expor meus garotos a um absurdo anti-LGBT em algum momento. Vivemos em uma pequena cidade em um estado vermelho no cinturão da Bíblia. Isso vai acontecer. Estou preparada para algumas lágrimas e muitas perguntas, mas talvez elas me surpreendam. Talvez eles descartem esse lixo e fiquem totalmente indiferentes. Meu coração de mamãe pode sonhar.

Aconteça o que acontecer, o que quer que ouçam, o que quer que peçam, estamos prontos. Não é tão complicado quanto eu imaginei. Amor é amor. E as crianças entendem o amor.
Nós temos isso.

Eu sempre responderei às perguntas do meu filho honestamente, porque é assim que nós somos pais. Mas eu não tenho que ter algum tipo de plano de batalha para explicar o casamento do meu pai. Eu nunca expliquei o casamento ou a família de alguém para meu filho a menos que ele tenha feito perguntas”.

Leia mais:

Com 5 anos, ele teve a reação mais fofa ao saber que irmão é gay

26 inspirações para educar crianças e combater a homofobia