Praticar a comunicação não violenta com as crianças, ou seja, aquela que investe no diálogo, nas conexões e nos vínculos emocionais recíprocos, nem sempre é uma tarefa fácil.

Cada vez mais, é comum que pais e mães não encontrem o tempo desejado para ser tudo aquilo que os filhos precisam que eles sejam. Por isso, muitas vezes o momento da "birra" infantil acaba se tornando um verdadeiro palco de guerra.

É neste contexto que tem despontado, nos encontros entre pais e mães, e mesmo nas discussões sobre desenvolvimento infantil, um termo que muitas famílias ainda desconhecem, mas que pode auxiliar na tarefa de utilizar as emoções - tanto da criança quanto de quem cuida delas - a favor de uma educação fluida: a disciplina positiva.

Entender o que ele significa passa pela compreensão de que crianças são seres plenos - de desejos, de medos e inseguranças - como qualquer indivíduo adulto. E, também, pelo entendimento de que, para alcançar um relacionamento fluido e pacífico, precisamos levar em consideração três palavras essenciais: empatia, respeito e afeto.

Créditos: Reprodução Facebook/Alê Rocha Fotografia

Thiago Queiroz é autor do blog "Paizinho, Vírgula", líder do grupo de apoio para criação com apego API Rio, e educador parental especializado em disciplina positiva.

Disciplina positiva: mas, afinal, o que é isso?

Thiago Queiroz, idealizador do blog Paizinho, vírgula, utiliza o conceito nas palestras que ministra, com o intuito de ajudar os pais a colocarem a ideia em prática e compartilhar aprendizados. No dia 8 de abril (sábado), ele fará um encontro sobre o tema, em Campinas - clique aqui para saber mais.

Catraquinha aproveita o ensejo para conversar com ele sobre os desdobramentos práticos da disciplina positiva. Abaixo, ele explica, em 5 passos, como aplicar o conceito no dia a dia com as crianças:

  • 1. Deixe as punições de lado

Catraquinha - 'Disciplina positiva' é um conceito que você defende em suas palestras. Pode explicar o que é? Como ele se aplica no dia a dia?

Thiago Queiroz - Disciplina positiva é uma maneira de pensar a educação dos nossos filhos, tendo em mente que a empatia e o respeito são as maneiras mais eficazes a longo prazo para educá-los.

Na prática, abandonamos todas as ferramentas que convidam os nossos filhos a resistir, e utilizamos ferramentas que nos conectam e que convidam os nossos filhos à cooperação. Em outras palavras, deixamos castigos, punições e chantagens para trás e começamos a usar o diálogo, os acordos e a rotina a nosso favor.

Créditos: Paizinho, vírgula

Foco na solução, e não na punição.

  • 2. Construa vínculos

Catraquinha - Como conciliar o desejo de presença com a correria da rotina com os filhos?

Thiago Queiroz - Tudo se resume ao vínculo. Claro, para criarmos vínculo, precisamos estar presentes, e o tempo para isso é cada vez mais escasso. Mas precisamos usar esse tempo a nosso favor, e reduzir nossas distrações, como redes sociais e celulares, para estarmos realmente presente com os nossos filhos.

  • 3. Desconstrua o modelo de autoridade

No desafio de educar os filhos, o que os pais podem fazer para evitar posturas imperativas e autoritárias?

Thiago Queiroz - A resposta a essa pergunta está dentro de nós, e não em nossos filhos. Muitas pessoas pensam que a disciplina positiva é um meio de tornar os nossos filhos obedientes, mas passa longe disso.

Eu costumo dizer que a disciplina positiva é mais sobre nós do que sobre os nossos filhos, justamente porque nós precisamos, primeiro, desconstruir em nós esse modelo de autoridade. Precisamos entender que uma relação de parceria é o nos vai trazer uma conexão mais profunda com os nossos filhos, e através dessa conexão, teremos mais cooperação deles no dia-a-dia.

Créditos: Shutterstock

Segundo a disciplina positiva, antes de repreender a criança quando ela chora, é preciso ter empatia pelo sofrimento dela, entendendo que a 'birra' nada mais é do que uma elaboração de alguma falta ou perda.

  • 4. Ofereça alternativas

Catraquinha - Ao seu ver, que ordens e regras do dia a dia com as crianças podem ser recebidas pelos pequenos como violentas, mesmo que os pais não percebam?

Thiago Queiroz - Uma das coisas mais importantes dentro da disciplina positiva é a preocupação em saber como uma mensagem chegou aos nossos filhos. Por exemplo, se o seu filho está brincando na janela, e isso é algo muito perigoso, quando você grita com ele e o puxa pelo braço, por mais que você esteja fazendo isso porque o ama e não quer que ele se machuque, provavelmente não é essa a percepção que o seu filho tem da mesma ação.

Pequenas mudanças na maneira com que falamos com os nossos filhos podem fazer muita diferença: ao invés de gritarmos um "sai da janela agora", podemos falar firmemente "a janela é perigosa, mas você pode brincar de pular no sofá, se quiser". Nesse exemplo, estabelecemos limites firmes, mas damos alternativas aos nossos filhos.

  • 5. Acolha o sentimento da criança

Catraquinha - Em seu último vídeo sobre o tema, você cita a frase: "Disciplina é ajudar a criança a resolver um problema. Punição é fazer a criança sofrer por ter um problema". Pode comentar sobre?

Thiago Queiroz - Sempre que os nossos filhos passam por algum problema, como por exemplo a famosa "birra" (que eu prefiro chamar de "crise emocional"), nós temos algumas opções: podemos gritar com eles, e ameaçar castigá-los caso não se calem imediatamente. Ou podemos empatizar e acolher aquele sentimento.

Tudo isso depende de como enxergamos a situação. Na primeira opção, não enxergamos que os nossos filhos estão, de fato, sofrendo com alguma coisa, e fazemos com que eles sofram por estarem sofrendo. Na segunda opção, entendemos que eles estão sofrendo, dizemos a eles que vemos e acolhemos esse sentimento, e isso não significa necessariamente "ceder" ao que eles estão pedindo.

O fato de você dizer genuinamente "eu entendo, filho, você está muito triste porque você queria aquele brinquedo" não significa que você comprará aquele brinquedo só para calar a criança. Na maioria das vezes, nossos filhos (e nós mesmos) só precisamos de uma palavra de empatia mesmo.

Leia mais:

Criação com apego favorece o vínculo entre pais e filhos

'Crianças não fingem chorar para conseguir coisas', diz pediatra

Imagem Autor

Renata Penzani é jornalista, repórter do Catraquinha, pesquisadora do livro para a infância e autora do site Garimpo Miúdo.

+ posts do autor