Um dos pontos críticos para as mulheres é a aceitação do corpo, não é mesmo? E, após a gravidez, a busca pela autoestima e pelo amor próprio pode ficar ainda mais desafiadora.

Mas nos últimos anos uma grande mobilização de mulheres contra os padrões estéticos têm contribuído para a libertação de muitas, incluindo celebridades.

Na última quinta-feira a atriz Samara Felippo postou uma foto no Instagram em que aparece com um top, bebendo cerveja e com a barriga exposta. Chamada por ela mesmo como "pancinha", a ação da atriz tem o objetivo de convidar mulheres a aceitarem seus corpos como são.

Ela relatou ter passado a vida inteira "lutando contra a balança". Na TV desde os 18 anos, lembrou já ter tomado remédio, vivido o efeito sanfona e encarado todas as dietas. Entrou e saiu da academia e sofreu quando sua imagem na TV parecia "fora de padrão".

"Sofri quando, aos 15 anos, fui rejeitada de uma agência de modelo por ter o quadril largo demais. E olha que nunca fui gorda, mas já me achei enorme diversas vezes e sofri com isso", relata.

Em algumas ocasiões, diretores pediram que a atriz emagrecesse "sem qualquer propósito, apenas para parecer melhor no vídeo".

Segundo Samara, com toda essa pressão social e por viver em briga constante com a balança, ela fez procedimentos de lipoaspiração aos 26 anos. Mas isso, pra ela, não è motivo de arrependimento.

"Não me julgo. Fui apenas vítima das capas de revista, da pressão da mídia, da obrigação de estar sempre 'linda', leia-se 'magra'", afirmou a atriz.

Venho acompanhando com orgulho muitos movimentos femininos/feministas em prol da libertação da mulher. ???????? Um deles é a cultura do corpo perfeito. Comecei na TV aos 18 anos, a vida TODA lutei contra a balança, tomei remédios, tive efeito “sanfona”, fiz todas as dietas, entrei e saí de academia, sofria quando minha imagem na TV parecia “fora do padrão”, quando um diretor me pedia para emagrecer sem qualquer propósito, apenas para ficar “melhor” no vídeo. Sofri quando aos 15 anos fui rejeitada de uma agência de modelos por ter o quadril “largo demais”. E olha que eu nunca fui gorda, mas ja me achei “enorme” diversas vezes e sofria com isso. Fiz lipo em lugares do meu corpo que “odiava” ( aos 26 anos????????‍♀️). Hoje olha pra trás e não me culpo, não me julgo. Fui apenas vítima das capas de revistas, da pressão da mídia, da obrigação de estar sempre “linda”, leia- a magra! Hoje vejo @carolinie_figueiredo @mbottan @naosouexposicao @ellorahaonne @pretararaoficial @theashleygraham @marianaxavieroficial Enfim... faria aqui (ainda bem) uma lista maravilhosa e imensa de mulheres que nos mostram a realidade, que nos ensinam, que nos ajudam a tirar esse maldito peso e fazer com que deixemos de nos odiar, de odiar o nosso corpo. Você é linda!!!! Na cultura que vivemos, nós mulheres crescemos com o fardo de ter que “agradar” o homem, que se ele não achar bonito, gostoso, agradável, vc é uma merda! Chega ne? Hoje aos 39 anos, mãe de duas meninas( fico feliz que meninas tem acesso a esse empoderamento muito mais cedo hoje) me sinto tão livre! Eu gosto de fazer exercício e comer bem, me sinto disposta. Tenho fases mais intensas e outras menos, mais não se torna mais uma tortura. Não vou mentir, ainda tem coisas que me incomodam mas como eu disse no texto do meu aniversário, amo minha EU de hoje mas ela ainda tá desaprendendo e desconstruindo e aprendendo a amar essa minha barriguinha linda da foto. E a tomar minha cervejinha sem culpa, porque AMO tomar minha cerveja com meus amigos, e eu posso parar de tomar por intolerância mas não vou parar pra ser magra. ✌???? Desafio vcs a postarem uma foto inspiradora das suas pancinhas❤️ E assim começo meu 2018???? ???? @sannaelidio ????

A post shared by Samara Felippo (@sfelippo) on

Mãe de duas meninas e com 39 anos, hoje ela conta estar feliz de ver que suas filhas estão crescendo com mais acesso a discursos sobre empoderamento feminino desde cedo. Ela citou nomes de mulheres que, em sua opinião, têm contribuído para que mais mulheres deixem de se odiar e odiar seus corpos.

"Na cultura que vivemos, nós mulheres crescemos com o fardo de ter que “agradar” o homem, que se ele não achar bonito, gostoso, agradável, vc é uma merda! Chega né?".

Entre sos nomes que a atriz mencionou estão a rapper Preta Rara, a atriz Mariana Xavier e a atriz e também mãe Caroline Figueiredo.

Mesmo assim, Samara deixa claro que esse não é um processo rápido ou fácil.

"Não vou mentir, ainda tem coisas que me incomodam. Mas como disse no texto do meu aniversário, amo minha 'EU' de hoje. Mas ela ainda está desaprendendo e desconstruindo e aprendendo a amar essa minha barriguinha linda da foto".

Para finalizar, Samara disse que ama tomar sua cervejinha e que não vai parar de curtir momentos com os amigos apenas para ser magra. Além disso, ela convocou suas seguidoras:

"Desafio vocês a postarem uma foto inspiradora de suas pancinhas", convocou a atriz.

Com mais de 56 mil likes e 3 mil comentários, várias outras mulheres estão deixando suas opiniões no post da atriz, incentivando ou trazendo relatos pessoais. Veja alguns deles:

  • "Finalmente as mulheres estão entendendo que estar de bem consigo mesmas e saudáveis é muito mais importante que ter um corpo que faz ode a magreza extrema.
  • "Adooooooro! Todas as minhas amigas que são atrizes e vivem dizendo "eu trabalho com minha imagem, preciiiiiso estar magra" deviam ler isso".
  • "Arrasou! Isso tudo se resume a ser feliz... Cuidar da saúde é essencial, mas sem neurose com estética!"

Leia mais:

Fisiologia da maternidade: 'sinto orgulho do meu corpo', diz mãe

'Projeto Umbigo' convida mães e bebês para cuidar do corpo juntos

Com foto empoderada, mãe exibe corpo pós-parto e quebra tabus