Uma declaração polêmica do diretor-presidente da Apple, Tim Cook, voltou os holofotes para a companhia que sofre processos em vários países por conta da lentidão proposital em iPhones.

Líder da fabricante de tecnologia, Cook disse que não recomenda crianças a usarem redes sociais e diz que é impossível ter sucesso estando online o tempo todo. A notícia foi divulgada pela revista Exame.

A opinião foi compartilhada com estudantes na Inglaterra, que começariam a ter aulas de programações com apoio da Apple, segundo o The Guardian. Além de ganharem um iPad, os alunos receberam dicas do executivo.

“Eu não tenho filhos, mas tenho um sobrinho em que coloco alguns limites”, contou. “E há algumas coisas que não permitirei: Eu não quero que eles usem uma rede social, por exemplo.” Cook aproveitou a ocasião para falar da importância de se estudar programação. Para ele, saber programar é mais importante que falar uma segunda língua.

Além disso, ele afirmou que não é uma pessoa que "acredita que conseguimos sucesso se estiver usando [tecnologia] o tempo todo.”

Apesar das críticas, a Apple já tentou fazer sua própria rede social. Em 2010, a empresa anunciou o iTunes Ping, uma rede social focada em música. Nela, os usuários poderiam seguir artistas e amigos, comentar sobre músicas e álbuns, além de visualizar listas de shows e indicar quais eventos musicais gostariam de ir.

O serviço, no entanto, não decolou e foi descontinuado pela companhia. A Apple fabrica computadores, tablets, possui a própria plataforma de transmissão de música, televisão, celulares, inteligência artificial, assistente virtual, relógios inteligentes entre outros.

Para ler na íntegra, clique aqui.

Leia mais

Campanha sugere que pais usem menos o celular e brinquem mais

Vício em iPhone: acionistas da Apple querem proteger crianças

Garotinho de quatro anos salva a vida da mãe com o iPhone