Mães e pais adotivos, infelizmente, às vezes passam por saias justas, situações desagradáveis. Para escapar de uma delas, Junya Sant Anna, usou a criatividade e o bom humor para resolver um trabalho de escola da filha.

A pequena Bárbara chegou em casa falando sobre um trabalho escolar em que ela teria que criar um álbum de fotos da mãe grávida, dela recém-nascida, do momento do nascimento e outros fatos marcantes de sua primeira infância.

A solução que as duas encontraram foi recortar um buraco em uma velha camiseta branca da mãe e reproduzir a menina dentro deste buraco, fotografando em frente ao espelho. Assim, dava a impressão de que Bárbara estava na barriga de Junya.

Créditos: Reprodução/Tudo Sobre Minha Mãe

Para trabalho que pedia fotos da gestação, as duas encontraram uma solução maravilhosa!

A alternativa bem humorada mostrou que elas já estão acostumadas a levar a vida de um jeito leve e otimista: “Eu tirando a foto e ela morrendo de rir em frente ao espelho”, disse Junya ao site Tudo Sobre Minha Mãe.

Tudo isso foi possível porque desde muito pequena, Bárbara sabe que foi adotada e, elas sempre conversaram muito abertamente sobre o assunto. Ainda assim, é importante refletir sobre o assunto e sobre as formas como a sociedade promove a inclusão dessas famílias.

Junya é microempresária e passou cinco anos fazendo tratamento para engravidar, quando era casada. Sem sucesso e contra a vontade do marido, entrou na fila de adoção e depois de um tempo se separaram. Ela continuou na fila e, após três anos, Bárbara chegou!

Quando Bárbara não tinha nem um ano de idade, Junya acabou engravidando sem querer, de um ex namorado, quando tinha 44 anos. Embora não estejam mais juntos, ele é um excelente pai para as duas crianças.

Créditos: Reprodução/Tudo Sobre Minha Mãe

O acontecimento levanta uma discussão sobre a forma como lidamos e incluímos pais e filhos adotivos.

Gabriela, a filha mais nova, é branca, enquanto Bárbara é negra. Por isso, elas enfrentam questionamentos, olhares e preconceito. Mas sempre tratam com leveza e dão respostas bem humoradas, que desconcertam qualquer um.

Sobre o trabalho escolar, Junya comenta: “a minha solução foi ser verdadeira como eu sempre fui. Nós sempre rezamos pela outra mãe dela. E eu sempre repito que ela teve muita sorte por ter tido 2 mães”.

Leia mais:

'É seu filho mesmo?': 15 coisas para não dizer a uma mãe adotiva

Adoção: mãe escreve carta tocante para a chegada das filhas

Seis mães comentam porque o Dia Das Mães também é um dia de luta