Procedência, efeitos colaterais, desencadeamento de condições nocivas: estes são apenas alguns dos receios que rondam o assunto “vacinação infantil” no Brasil. Pais e mães se dividem entre quem vê nas vacinas o santuário da proteção dos filhos, e quem acredita que a prática deixa as crianças mais suscetíveis a doenças.

Por outro lado, a vacinação foi responsável por erradicar doenças como varíola, poliomielite, sarampo, rubéola e síndrome da rubéola congênita, além de minimizar consideravelmente casos de coqueluche e meningite.

  • A vacina é uma substância produzida a partir de bactérias ou vírus mortos ou enfraquecidos. Ao ser introduzida no corpo do ser humano, a vacina provoca uma reação do sistema imunológico, promovendo a produção de anticorpos - os leucócitos - contra aquela substância.

Devido à importância fundamental do assunto para a infância e as muitas dúvidas que o tema suscita, o Catraquinha foi investigar a fundo quanto disso é mito e o quanto é risco real. Afinal, vacinas podem ser uma escolha de cada família ou são, na verdade, uma obrigatoriedade de saúde pública?

Para o pediatra e infectologista do Hospital Israelita Albert Einstein, Alfredo Gilio, as vacinas são pilares imprescindíveis da imunidade da criança, principalmente por sua dupla  importância: de um lado, sua atuação individualizada em cada indivíduo que a recebe, e, de outro, seu valor social e histórico.

“A vacinação é uma das principais medidas para a prevenção de uma série de doenças. Tem uma importância muito grande individualmente, isto é, para cada criança e epidemiologicamente, ou seja, para redução ou mesmo erradicação de algumas doenças”, explica.

Créditos: iStock

Diante de um crescente movimento contrário à vacinação em todo o mundo, médicos e especialistas cada vez mais defendem a importância fundamental de vacinar na primeira infância.

Como funciona no Brasil

O Programa Nacional de Imunização foi criado em 1973. De lá para cá, o que mudou? Quais parâmetros são seguidos hoje? Há divergências entre a recomendação do Ministério da Saúde (Calendário Nacional de Imunização) e da Sociedade Brasileira de Pediatria. O pediatra ajuda a esclarecer essas questões.

“Para os calendários do Programa Nacional de Imunizações (PNI), são seguidas as seguintes premissas: a disponibilidade de uma vacina segura e eficaz para uma determinada doença; o seu custo; e a possibilidade de atingir o maior número possível de crianças. No calendário da Sociedade Brasileira de Pediatria, são acrescentadas algumas vacinas e também se sugere algumas outras apresentações de vacinas para as mesmas doenças que são prevenidas através do PNI. É importante ressaltar quer o Programa Nacional de Imunizações do Brasil é um dos mais completos do mundo”, afirma.

Quando à procedência das vacinas utilizadas hoje no país e seu caminho até chegarem no paciente, o profissional conta que varia bastante, mas que, independente de sua origem, a distribuição, regulação e orientação à população é conduzida pelo Ministério da Saúde. “As utilizadas no Brasil podem vir dos laboratórios nacionais como o Instituto Butantã e de laboratórios internacionais”, esclarece.

Ainda sobre essa questão, o médico defende a qualidade do produto disponibilizado no país. “As vacinas disponíveis hoje são bastante seguras e eficazes. Não há risco significativo de doenças graves. O risco mais frequentemente referido que é o de autismo após vacinas já está completamente descartado na literatura médica mundial”, diz Alfredo.

Movimento antivacina

No extremo oposto da questão, estão os defensores da não vacinação, o chamado “movimento antivacina”. Ainda que careça de uma frente organizada no Brasil, é crescente no mundo todo o número de pais que se recusam a vacinar seus filhos, movido por uma série de fatores. Dentre eles, a descrença no sistema de saúde, a desconfiança sobre a procedência das vacinas oferecidas (sobretudo na rede pública) e também por acreditarem que vacinar contra doenças erradicadas é desnecessário.

A este fenômeno social e cultural, os médicos deram o nome de “desaparecimento da percepção de risco”, ou seja, quando uma população ou mesmo um grupo de profissionais despreparados, deixa de ter rigor sobre a importância de se proteger contra uma determinada doença há muito desaparecida.

Créditos: iStock

Os adeptos do movimento antivacina são contrários a ideia de expor o corpo a um agente viral ou bacteriano sintetizado.

Para a homeopatia, por exemplo, a vacina seria responsável por desencadear reações inflamatórias no organismo, teoria que o pediatra Alfredo Gilio afirma ser falsa. Outras correntes – religiosas, filosóficas e de outras ordens –, como a Antroposofia, por exemplo, acreditam que é mais saudável para o corpo desenvolver imunidade de forma natural, ou seja, por meio da própria doença quando ela ocorrer.

“Muitas doenças estão sob controle justamente por causa da vacinação. Quando ocorre relaxamento nas taxas de cobertura dessas vacinas a doença reaparece, como aconteceu recentemente com o sarampo em alguns países da Europa”, afirma Gilio.

  • Todas as doenças prevenidas pelas vacinas que constam no calendário de vacinação, se não forem alvo de ações prioritárias, podem voltar a se tornar recorrentes. (Fonte: Ministério da Saúde)

Para os especialistas, a não vacinação representa um perigo extremamente nocivo à saúde pública de uma forma geral, uma vez que as famílias que optam por esse caminho estão considerando somente o efeito individualizado da prática, desconsiderando a consequência em nível macro, social e historicamente.

“As famílias que optam por não vacinar os seus filhos estão deixando-os expostas às doenças que as vacinas protegem e que nem sempre são doenças leves. Ao mesmo tempo, estão expondo outras crianças ou adultos que podem adquirir essas doenças se tiverem contato com seus filhos quando desenvolverem essas doenças”, defende Alfredo.

Conhecimento protege

Em entrevista ao Catraquinha, o médico infectologista Renato Kfouri, defende que, diante de tantas posições contrárias, a informação é a principal aliada, e por isso é preciso ficar atento às pesquisas desenvolvidas sobre o assunto.

"É importante observar os estudos de segurança das vacinas, que acompanham populacionalmente os efeitos de cada uma delas. São estudos muito sérios, com dados que seguem afirmando sua importância. Com isso, a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e dos ministérios dos países é para que se dê as vacinas de acordo com os calendários", diz.

Créditos: Reprodução/http://portalarquivos.saude.gov.br

No site do Ministério da Saúde, o chat do Zé Gotinha responde as principais dúvidas sobre vacinação.

E qual a diferença entre as vacinas oferecidas em clínicas privadas de imunização e as disponibilizadas na rede pública de saúde? Como isso impacta o acesso da população?

“Muitas vacinas são as mesmas. Entretanto para outras há diferenças na apresentação, por exemplo, reduzindo o número de picadas ou nas reações adversas. Além disso, algumas vacinas não são disponíveis na rede pública”, explica o pediatra.

Para fazer download do Calendário Nacional de Vacinação, clique aqui.

Leia mais:

Microcefalia: 'família é o pilar do desenvolvimento', diz médica

Gestação de alto risco: o que já se sabe, e o que é preciso saber

Parto humanizado: 'ouvir as escolhas da mãe traz a humanização'