Últimos posts

Veja Mais

O usuário e/ou senha digitados estão incorretos.

Crianças que dedicam mais tempo à fantasia são mais criativas

Como otimizar e potencializar a relação dos pequenos com seus dons inventivos em tempos de recursos tecnológicos cada vez mais prontos?

13/02/2017 15:31

por Publieditorial

“Jogos que estimulam a competitividade e a luta contra o tempo roubam da criança o espaço para pensar, fantasiar e criar suas próprias histórias”, defende o pediatra Tadeu Fernando Fernandes, coordenador da Sociedade Brasileira de Pediatria, referindo-se ao hiperestímulo dos brinquedos ‘prontos’, que não possibilitam à criança nenhuma forma de interação ou criação, impondo ao ato de brincar uma fórmula unilateral, que mais exclui a criança do que a convida para ativar a imaginação e participar.

Porém, é inegável que, mesmo expostas a recursos que não incentivam seu potencial inventivo, as crianças são insuperáveis no quesito de imaginar coisas que ainda não existem, combiná-las como a realidade e assim ampliar o mundo muito além do que permitiria a razão sozinha. Com essa ideia em mente, a Faber-Castell acaba de lançar o aplicativo “Floresta sem Fim”, que transforma a realidade aumentada em uma brincadeira para as crianças, transformando o lápis de cor dos pequenos em um animal que ‘ganha vida’ nas telas. O projeto reforça o valor da imaginação como um modo de dar vida e movimento às ideias e aproximar os pequenos da reflexão sobre consciência ambiental e preservação das espécies.

criatividade_imaginacao

Créditos: Shutterstock

Segundo o Dr. Tadeu Fernandes, da Sociedade Brasileira de Pediatria, a imaginação estimula a criatividade, influencia o desenvolvimento cognitivo, e contribui principalmente para a resolução de problemas.

É com a imaginação que os pequenos atribuem sentido às coisas que aprendem, sentem e observam. Todo e qualquer estímulo recebido pelas crianças passa pelo crivo dessa ferramenta tão frágil à passagem do tempo, e da qual nos desvencilhamos enquanto crescemos, quase imperceptivelmente.

Mas, afinal, se a imaginação é tão imprescindível quanto passageira, como prolongar ao máximo a experiência que os pequenos terão com ela? E, mais importante ainda, como fazer com que ela seja compreendida na sociedade em todo o seu valor?

Diante de todas essas potenciais ameaças da pós-modernidade para o crescimento sensível da criança, nada melhor do que entender quais os benefícios que o ato de imaginar, fantasiar e inventar outros mundos podem trazer para o desenvolvimento infantil.  O hiperestímulo da sociedade pós-moderna afeta a imaginação dos pequenos? A criatividade e a fantasia são espécies em extinção?  Chegar mais perto das possíveis respostas a esses questionamentos pode levar a uma infância mais leve e conectada com sua essência.

Para o médico, os formatos prontos e jogos que estimulam a competitividade e a luta contra o tempo roubam da criança o espaço para pensar, fantasiar e criar suas próprias histórias.

Créditos: Shutterstock

Para o médico, os formatos prontos e jogos que estimulam a competitividade e a luta contra o tempo roubam da criança o espaço para pensar, fantasiar e criar suas próprias histórias.

Por isso, o Catraquinha, junto com a Faber-Castell, conversou com o pediatra Tadeu Fernando Fernandes, coordenador da Sociedade Brasileira de Pediatria, para saber quais os parâmetros médicos para mensurar o impacto do contato com a fantasia para a criança. Para ele, a imaginação impacta diretamente da qualidade da criatividade, e contribui para o desenvolvimento cognitivo, principalmente no que diz respeito à capacidade de resolver problemas. Confira a entrevista:

Catraquinha - De que forma o ato de imaginar, usar a criatividade e libertar a fantasia pode beneficiar a criança?

Dr. Tadeu Fernandes - Está cientificamente comprovado que crianças que praticam a fantasia da imaginação, desenvolvendo situações com seus brinquedos lúdicos, possuem maior criatividade, documentado por um melhor desempenho quando solicitadas a criar uma história - seja no modo escrito ou falado. As crianças precisam dividir o espaço, já que não podemos ir contra a onda eletrônica, tendo tempo para sua atividades virtuais/eletrônicas, mas também precisam de um período sem estímulos externos, para que possam usar sua imaginação e criatividade.

Catraquinha - Pode parecer redundante querer estimular algo que é inerente à criança. Mas como podemos incentivar a criança a se conectar com o mundo da fantasia?

Dr. Tadeu Fernandes - A imaginação estimula a criatividade, influencia o desenvolvimento cognitivo, e contribui principalmente para a resolução de problemas. O mundo da fantasia é inato da criança, mas nos tempos modernos os formatos prontos predominam. Estudos mostram que aquelas que dedicam maior tempo ao mundo da fantasia se destacam principalmente no quesito criatividade.

Catraquinha -Brinquedos prontos e os estímulos demasiadamente complexos que as crianças recebem diariamente influenciam nesse processo?

Dr. Tadeu Fernandes - Sim, os formatos prontos e jogos que estimulam a competitividade e a luta contra o tempo roubam da criança o espaço para pensar, fantasiar e criar suas próprias histórias.

Para os pediatras, o que falta para as crianças é tempo livre para exercitar a imaginação.

Créditos: Shutterstock

Para os pediatras, o que falta para as crianças é tempo livre para exercitar a imaginação.

Catraquinha - Há pais que preenchem quase 100% do tempo livre dos filhos com atividades extracurriculares, como cursos de idioma, por exemplo. Como o hiperestímulo prejudica o desenvolvimento da infância?

Dr. Tadeu Fernandes - É o tema do ócio criativo, as crianças estão sem tempo ocioso para se encontrar. Esse é um dos fatores que lota os consultórios de psicólogos e psiquiatras infantis. Ansiedade e depressão - doenças de adultos - agora estão presentes na vida das crianças pela luta contra o tempo, objetivos e metas, a disputa por ser o melhor. Obviamente, teremos um vencedor e um monte de perdedores, que evoluirão para ansiedade e depressão.

Catraquinha - O estímulo à imaginação requer um cenário específico, certo? Ou seja, tempo livre, liberdade de ser, silêncio, espaço?

Dr. Tadeu Fernandes - Sim, não basta falarmos para criança ‘vá para o seu quarto e fique lá criando, imaginando e pensando’. O ambiente precisa ser lúdico e precisa dos pais para participar desse aprendizado, não dando receitas prontas, mas dicas, caminhos e atalhos para o ócio criativo.
Leia mais:

Floresta sem Fim

Com o objetivo de encantar as crianças pela natureza e ressaltar a importância da imaginação para o desenvolvimento pleno da infância, a Faber-Castell acaba de lançar o aplicativo “Floresta sem Fim”, que, como em um passe de mágica, transforma o lápis das crianças em uma animação em realidade aumentada. O funcionamento é simples: basta que a criança aproxime o seu celular de um Ecolápis Faber-Castell; cada lápis corresponde a uma espécie diferente de animal, aproximando os pequenos da ideia de preservação ambiental e sustentabilidade. O app oferece ainda conteúdos educativos em áudio sobre cada uma das espécies em que o lápis se transforma, e os usuários têm a possibilidade de criar fotos interativas com os bichinhos. O app está disponível para download gratuito na Apple Store e no Google Play.
Veja também

Educação Infantil: a natureza também é ferramenta pedagógica

‘A vida não pode acontecer só nas telas', diz pediatra

Ser criativo favorece todas as formas de interação social

6 dicas para levar ecologia para o dia a dia das crianças

6 dicas para conectar crianças e adultos à natureza

De forma lúdica, app gratuito aproxima crianças da natureza