Foto: Shutterstock

Créditos: Foto: Shutterstock

Brinquedos da natureza são divididos entre fogo, água, terra e ar.

Uma maneira diferente de ver e entender o brincar. Isto é o que acontece ao conhecer o trabalho de Gandhy Piorski, artista plástico que pesquisa as práticas da criança há mais de 20 anos. Uma das linhas de estudo de Gandhy é a relação entre criança e natureza, que aborda, entre vários raciocínios, os denominados “brinquedos da natureza”.

Fogo, água, terra e ar. Para Gandhy, cada elemento natural sugere um tipo de brinquedo, com movimentos e olhares específicos. Para o artista, que pesquisou brinquedos de crianças de 25 comunidades no Ceará, o diálogo da imaginação com a natureza guia a identificação dos brinquedos de cada elemento. Ou seja, é através do imaginar das crianças que Gandhy observa e identifica os brinquedos, e também o brincar, como uma “reconfiguração” do universo cultural.

Foto: reprodução Facebook Ghandy Piorski

Créditos: Foto: reprodução Facebook Ghandy Piorski

Cada elemento natural sugere um tipo de brinquedo, com movimentos e olhares específicos.

Em debate realizado pelo Território do Brincar e pelo Instituto Alana, em abril deste ano, o pesquisador comentou questões que permeiam a relação da criança com a natureza, ressaltando que este ponto ainda é um desafio para a educação. Neste bate-papo da série "Diálogos do Brincar", com o tema "Criança e Natureza", Gandhy explicou que natureza é muito mais que mar, céu, pedra, água, árvore ou verde – ou seja, é maior que o significado científico e concreto. Segundo o artista, ela está também relacionada à força criadora do ser humano e sua interioridade.

Na conversa, Gandhy associou a natureza com o campo da ética, da saúde psíquica e o campo simbólico – sendo este último, segundo o pesquisador, o que está relacionado à imaginação e ao sonho, vínculo entre a criança e a natureza. “Quando a imaginação da criança encontra a natureza, ela se potencializa e se torna imaginação criadora. A natureza tem a força necessária para despertar um campo simbólico criador na criança”, explicou.

No debate, Gandhy ressaltou a importância do contato da criança com ambientes de riqueza biológica e vida natural. Porém, disse que brinquedos da natureza podem ser levados para qualquer espaço, independentemente de suas condições e do tamanho físico. Por exemplo, uma casinha feita de folhas, bambu, restos de madeira ou retalhos de tecidos pode se transformar em um canto criativo de brincadeiras em qualquer ocasião ou local.

Durante toda a infância as crianças entram em contato com os quatro elementos no brincar. Mas, afinal, quais são os brinquedos de cada elemento da natureza? Confira abaixo uma breve explicação, de acordo com o estudo de Gandhy Piorki, e comece também a identificá-los nas brincadeiras das crianças. E clique aqui para assistir à videoconferência com o pesquisador na série "Diálogos do Brincar"!

  • Brinquedos do Fogo
brinquedo_natureza_2

Créditos: brinquedo_natureza_2

Brinquedos do fogo sugerem adrenalina.

Os brinquedos do fogo são os que sugerem explosão corporal, adrenalina. Um exemplo é a brincadeira de pular corda, que usa muitas expressões como “queimou" ou "foguinho". Brincadeiras de sombra ou de fazer cinema, com lanternas ou velas, também são do elemento fogo. Os brinquedos deste elemento sugerem uma certa transgressão, como por exemplo, pegar fósforos escondido. As crianças que brincam com fogo desafiam ordens e medos, além de provocarem superações. Brincar de fazer comida com fogo imaginário, também é um exemplo de brincadeira deste elemento.

  • Brinquedos da Água
brinquedo_natureza_13

Créditos: brinquedo_natureza_13

Brinquedos da água estimulam simetria e equilíbrio.

Os brinquedos da água estimulam o olhar da natureza, bem como a simetria e o equilíbrio. O melhor exemplo destes brinquedos são de coisas que flutuam, como barquinhos feitos com os mais variados materiais – sempre montados para não virarem com o movimento da água e não se afundarem nela, através da citada visão de simetria e equilíbrio. Brincar de pescaria também entra nesta categoria. Os brinquedos da água são os da fluidez, da leveza, os que superam obstáculos.

  • Brinquedos da Terra
Foto: Shutterstock

Créditos: Foto: Shutterstock

Brinquedos da terra imitam a vida cultural.

Os brinquedos da terra são aqueles do universo da casa, da família, os que imitam a vida cultural, os que têm contato com a matéria e os de pés no chão, os que sugerem um enraizamento social. Brincar de se aterrar na areia, de moldar objetos com barro e de investigar o que se tem dentro das coisas – como a anatomia de animais –, por exemplo, são brinquedos da terra. Brincar de casinha, fazendinha, cozinha, montaria, carros de boi, lutas de espadas, são todos pertencentes ao elemento terra por sua dimensão cultural e por fazerem com que as crianças criem novas formas de cultura através de sua imaginação. As brincadeiras da casinha ou de fazer comida, por exemplo, se remetem à nutrição, ao servir, à partilha, ao cuidar de bonecas (crianças), ao carinho pela família.

  • Brinquedos do Ar
Foto: Shutterstock

Créditos: Foto: Shutterstock

Brinquedos do ar são aqueles que remetem à leveza.

Os brinquedos do ar são aqueles que ampliam a visão e os sentidos, que trazem a contemplação, que remetem a uma ideia de leveza e que sugerem um deslocamento social. As pernas de pau entram nesta categoria, pois a criança, ao usar o brinquedo, amplia sua visão do mundo, o enxerga sob outra ótica. Petecas, pipas, aviãozinho e todos os brinquedos que dependem de aerodinâmica, também são do ar. Brincadeiras com penas – que observam ou imitam pássaros –, com asas, ou até pulos expansivos também são considerados brinquedos deste elemento da natureza.

Leia também: