Montar, colorir, pintar, cantar, dançar, aprender. Brincar é um exercício de imaginação e busca de novas habilidades que enriquece o processo de aprendizagem de qualquer criança – tenha ela ou não uma deficiência. E acredite, criança é tudo igual: quer descobrir, ser desafiada, ter amigos, sonhar.

Este é o pensamento do Instituto Mara Gabrilli (IMG), uma associação sem fins lucrativos que desenvolve e executa projetos que contribuem para a melhoria da qualidade de vida de pessoas com deficiência. O instituto lançou um Manual de Brinquedos e Brincadeiras Inclusivos com o passo-a-passo para adaptar brinquedos e brincadeiras e estimular pessoas de todas as idades a desenvolverem suas capacidades, por meio do brincar.

Créditos: reprodução Manual Brinquedos e Brincadeiras Inclusivos

Sugestão de brincadeira inclusiva: dominó.

O objetivo é incorporar ao cotidiano de pais e educadores a criação de brincadeiras e a produção de brinquedos adaptados. E tudo isso de maneira sustentável: com materiais recicláveis e de baixo custo que podem ser confeccionados em casa. Com linguagem simples, a ideia é fazer com que qualquer pessoa possa criar, aprender e ajudar crianças de todas as idades a desenvolver suas capacidades.

Não existe receita para que uma brincadeira seja inclusiva, para que se enquadre em todas as situações. No
entanto, algumas premissas são básicas para garantir a diversão de todos. As principais são:

• Respeitar o tempo de cada um;
• Respeitar o conhecimento de cada pessoa;
• Combinar com os participantes a melhor forma de tornar a brincadeira inclusiva;
• E, por fim, tentar proporcionar a mesma oportunidade de experiência para todos os participantes.