A pergunta "Quando devo começar a oferecer alimentos sólidos para o bebê?" é recorrente para a maioria dos pais. A atriz Karina Bacchi, mãe de Enrico, de quatro meses e meio, foi alvo de críticas nas redes sociais em função dessa questão.

Ao publicar uma foto de seu bebê saboreando um pedaço de melancia, Bacchi teve seu Instagram tomado de manifestações contrárias à introdução alimentar nesta idade.

Créditos: Reprodução/Instagram.com/karinabacchi

Enrico tem quatro meses e meio, e foi fotografado pela mãe provando melancia. Certo ou errado?

  • A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que o bebê se alimente de leite materno até os seis meses de vida, e só a partir então, orienta-se oferecer os chamados alimentos sólidos complementares ao leite materno, que pode ser oferecido até os dois anos ou mais, a depender da demanda do bebê e da escolha da mãe.

De acordo com o pediatra Carlos Eduardo Correa, o Cacá, a introdução de sólidos na nutrição do bebê depende diretamente aos sinais de autonomia e interesse da criança.

Em entrevista ao Catraquinha, ele explica que cabe aos pais ficarem atentos a esses sinais e respeitar a relação da criança com a comida.

"Inicialmente, ela estabelecerá uma relação sensorial com as cores, os cheiros e os sabores dos alimentos. É importante valorizar este momento. Se o bebê der sinais de que não está pronto, seria bom respeitar seu momento, ouvindo sua negação", explica o médico.

Patrícia Smith, nutricionista do canal Prapapá, explica que, caso a família opte por introduzir sólidos antes da idade recomendada pelo MS, é preciso ficar atento ao que não se deve oferecer: industrializados, processados, alimentos muito duros, frutas oleaginosas com potencial alergênico, leites e derivados, clara de ovo, trigo, crustáceos, entre outros. Assista ao vídeo do nosso parceiro Criar & Crescer sobre o assunto.

Leia mais:

Primeira papinha: 'é importante deixar o bebê sentir a textura'

Introdução alimentar: ‘A meta não é comer’, diz educadora

Criança que come pelo método BLW é menos seletiva, diz estudo