A introdução alimentar é desafiador, um assunto que envolve muita informação e, diante delas, é comum que os pais fiquem confusos ou sem saber exatamente o que fazer. A avó sempre vai ter uma experiência pra contar, o médico tem suas ressalvas, os órgãos de saúde infantil têm suas recomendações, a vizinha tem sempre um palpite e a amiga um conselho.

Quando, dentro da introdução alimentar, se fala sobre a introdução de sucos, refrigerantes e outras bebidas, surge uma chuva de outras informações. Em um vídeo publicado no dia 27 de março, Giovanna Balogh, autora do blog Mães de Peito, trata especificamente dos sucos. Devo oferecer ao meu bebê? Quando? Como? – são algumas das perguntas que ela responde.

Ela explica que, embora a introdução alimentar, em geral, se inicie no sexto mês de vida do bebê, a indicação é que os sucos sejam apresentados após o primeiro ano, e de preferência os naturais. Isso porque o suco tem um alto índice glicêmico, ou seja, o pâncras do bebê vai ter que trabalhar muito para absorver toda essa carga.

Créditos: iStock

O ideal é não oferecer suco aos bebês e às crianças, sobretudo os industrializados.

Com isso, o bebê terá uma sensação de saciedade. Assim, quando for a hora da refeição, ele vai recusar a comida e a mamada. Seguindo ainda a metodologia BLW, o ideal é oferecer a fruta in natura para que ele, antes de ser apresentado aos processados, conheça os alimentos adequadamente. (Quer saber o que significa BLW? Então clique aqui e confira a matéria que publicamos a respeito.)

“Se os pais, ainda assim, quiserem oferecer o suco, a recomendação é dar, no máximo, 120ml para o bebê de um a dois anos. Para as crianças maiores, de quatro a seis, não ultrapassar 155ml, e para as crianças maiores, até a adolescência, não ultrapassar os 250ml.” – explica Giovanna.

Créditos: Reprodução/Youtube

Por mais saudável que o suco natural seja, não é uma boa opção para os pequenos por ter um índice glicêmico muito alto.

Diante disso, imaginamos que você, mãe ou pai aí do outro lado estejam se perguntando: “mas o que eu vou dar para o meu filho então?”. Água. A melhor opção é também a mais simples

Em relação aos sucos de caixinha, industrializados, que vendem nos mercados, ela ainda observa que contém altíssima adição de açúcar e que muitas vezes são inclusive equivalentes aos refrigerantes. “A gente muitas vezes compra esses sucos achando que está dando uma opção saudável para os nossos filhos, mas não é”, completa.

Créditos: iStock

Ao invés de oferecer ao seu filho um suco, dê a ele uma fruta in natura.

O vídeo ressalta ainda que, até um ano de idade, o leite materno é fundamental, completo e fonte dos nutrientes que o bebê precisa. Tomando suco, existe a possibilidade que ele passe a mamar menos, justamente pela saciedade que ele traz – mas isso não é o ideal.

Abaixo, o vídeo completo:

Leia mais:

Nova recomendação da AAP: suco, só depois de um ano

O fim do 'olha o aviãozinho': livro sobre BLW é lançado no Brasil

Sociedade Brasileira de Pediatria lança guia sobre método BLW

Introdução alimentar: ‘A meta não é comer’, diz educadora